28/12/08

O Menino Triste no Diário As Beiras



Na sequência do post anterior, aqui estamos a divulgar o artigo de João Miguel Lameiras sobre o livro A Essência, publicado no jornal diário As Beiras, no passado dia 20 de Dezembro. Nesse mesmo dia em que nos deslocámos à livraria Dr. Kartoon, na cidade de Coimbra, e onde fomos recebidos com casa cheia, ou não fosse a Lusa Atenas um dos pilares da formação d'O Menino Triste.

-

Reencontros com antigos amigos, novos amigos... parece um cenário que se começa a repetir, felizmente, onde quer que O Menino Triste esteja presente. Espero que assim seja não apenas agora, mas de igual modo no tempo futuro.

.

Clicar sobre a imagem para ampliar.

27/12/08

O Menino Triste na Blogosfera


Aproveitando esta pausa entre o Natal e o Novo Ano, vamos aqui colocar algumas coisas que se têm dito a propósito d’O Menino Triste e do seu novo livro A Essência, e que têm chegado ao nosso conhecimento. Tanto em blogues como na imprensa escrita, têm sido diversos os artigos a referi-los.
Assim, começando pelos blogues e para não retirar a hipótese de mais umas visitas aos mesmos, em vez de aqui colocar os respectivos textos, deixo os links daqueles que têm vindo a fazer essas referências, comentários ou críticas.


No blogue Leituras de BD, de Nuno Amado, uma bela crítica (aqui

).
No blogue Alternative Prision, de Gabriel Martins, uma curiosa introdução aos dois fanzines d’O Menino Triste (aqui
).
O blogue Na Terra do Nunca, de Francisco “Pan”, tem mais do que uma entrada referente à personagem; aqui
fica uma delas.

No original BD Tube, de Gustavo Carreira, um vídeo onde se refere A Essência. Muito nos honra que esse tenha sido o primeiro livro a ser referido neste blogue ;)
.

The last but not the least, o blogue de Osvaldo de Sousa, Humorgrafe, que além de estar sempre com as novidades do mundo do humor e cartoon, tem apoiado desde sempre O Menino Triste.

.
Visitem-nos e tenham umas boas leituras!

Nos posts seguintes iremos fazer referências aos artigos publicados na imprensa escrita.

12/12/08

O Maestro Sacode a Batuta


O maestro sacode a batuta,
E lânguida e triste a música rompe ...

Lembra-me a minha infância, aquele dia
Em que eu brincava ao pé dum muro de quintal
Atirando-lhe com uma bola que tinha dum lado
O deslizar dum cão verde, e do outro lado
Um cavalo azul a correr com um jockey amarelo ...

Prossegue a música, e eis na minha infância
De repente entre mim e o maestro, muro branco,
Vai e vem a bola, ora um cão verde,
Ora um cavalo azul com um jockey amarelo...

Todo o teatro é o meu quintal, a minha infância
Está em todos os lugares e a bola vem a tocar música,
Uma música triste e vaga que passeia no meu quintal
Vestida de cão verde tornando-se jockey amarelo...
(Tão rápida gira a bola entre mim e os músicos...)

Atiro-a de encontra à minha infância e ela
Atravessa o teatro todo que está aos meus pés
A brincar com um jockey amarelo e um cão verde
E um cavalo azul que aparece por cima do muro
Do meu quintal... E a música atira com bolas
À minha infância... E o muro do quintal é feito de gestos
De batuta e rotações confusas de cães verdes
E cavalos azuis e jockeys amarelos ...

Todo o teatro é um muro branco de música
Por onde um cão verde corre atrás de minha saudade
Da minha infância, cavalo azul com um jockey amarelo...

E dum lado para o outro, da direita para a esquerda,
Donde há árvores e entre os ramos ao pé da copa
Com orquestras a tocar música,
Para onde há filas de bolas na loja onde a comprei
E o homem da loja sorri entre as memórias da minha infância...
E a música cessa como um muro que desaba,
A bola rola pelo despenhadeiro dos meus sonhos interrompidos,
E do alto dum cavalo azul, o maestro, jockey amarelo tornando-se preto, Agradece, pousando a batuta em cima da fuga dum muro,
E curva-se, sorrindo, com uma bola branca em cima da cabeça,
Bola branca que lhe desaparece pelas costas abaixo...
-
Fernando Pessoa, in "Cancioneiro" (Sexta parte do Poema «Chuva Oblíqua» Publicada em Orpheu, 2, 1915).

07/12/08

A Gastronomia em "A Essência"


Ainda a propósito do livro "A Essência", durante as sessões de autógrafos do Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora 2008, houve alguns leitores que me perguntaram pela receita que O Menino Triste faz para um jantar com os seus amigos, e que está referenciada na página 17.
Trata-se de uma receita que tinha inventado há já algum tempo, e que me lembrei de referir no decorrer da história. Pelos vistos abriu a curiosidade e o apetite a alguns. Para os que não tiveram acesso a uma cópia impressa da receita, que acabei por distribuir na parte final do FIBDA, aqui deixo a dita:
Cataplana de Frango com Castanhas e Amêijoas

Ingredientes (4 pessoas):

· 4 peitos de frango cortados em cubos grandes
· 100g bacon em pequenos cubos
· ½ kg de amêijoas (ou conquilhas)
· 400g de castanhas sem pele
· 1 cebola grande em rodelas
· Alhos esmagados (a gosto)
· 2 folhas de louro
· Azeite
· Coentros picados
· Sal (a gosto)

Aquece-se o azeite na cataplana e junta-se a cebola às rodelas. Neste refogado aloura-se o bacon, juntando-se uma folha de louro. Adicionam-se os cubos do frango e fritam-se rapidamente em lume mais vivo. Reduzindo o lume, tapa-se a cataplana e cozinha-se durante 10 minutos. Introduzem-se de seguida as castanhas e o sal. Volta-se a tapar e cozinha-se por mais cerca de 15/20 minutos. Em caso de necessidade juntar um pouco de água.

Separadamente, aquece-se azeite numa frigideira juntamente com os alhos e a outra folha de louro. Quando os alhos estiverem alourados juntam-se as amêijoas e fritam-se até abrirem. Colocar uma pitada de sal. Não se devem cozinhar demasiado as amêijoas, pois podem ficar rijas e com má apresentação.

Quando o frango estiver cozinhado, juntam-se-lhe as amêijoas, os sucos e os alhos, misturando bem. Adicionar nesta altura os coentros picados e cozinhar todo o conjunto por mais 5 minutos em lume brando.

Servir quente.
Bom apetite.

27/11/08

O Menino Google!


Visionamento parcial do álbum “A Essência” está agora disponível no Google.
No serviço “livros”, o motor de busca Google disponibiliza algumas páginas e informações sobre vários livros, em termos planetários. O novo livro d’O Menino Triste pode ser aí encontrado e algumas das suas páginas visualizadas.
Esperamos que este serviço possa contribuir para a divulgação do trabalho e assim chegar até muitas mais pessoas, apenas à distância de um clique.

Ah, é verdade, cliquem aqui!

19/11/08

À VOLTA DOS LIVROS



A jornalista da RTP/Antena 1, Ana Aranha, entrevistou João Mascarenhas a propósito do novo livro d’O Menino Triste, “A Essência”. A entrevista radiodifundida no programa À Volta Dos Livros, da Antena 1, é agora disponibilizada para os leitores do blogue d’O Menino Triste, graças à amabilidade da Direcção de Programas de Rádio da RTP.

As origens da personagem, o público, as motivações, e o novo livro são algumas das questões que Ana Aranha coloca ao autor d’O Menino Triste. A entrevista para ouvir aqui.

Créditos - Programa: À Volta dos Livros, RTP/Antena 1, Realização de Ana Aranha, 5’46’’, Lisboa, 2008

11/11/08

O Menino Triste no FIBDA2008


E pronto! Concluiu-se mais um Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora.
Este teve para O Menino Triste (e para mim, claro!) três aspectos essenciais: a exposição de originais do livro A Essência, o lançamento do livro (graças à Qual Albatroz - muito obrigado Zé e Marc) e o contacto com os leitores.
Este último aspecto foi-me muito prazeroso e grato, já que pude conhecer pessoas que não apenas lêem o meu trabalho, como o apreciam e divulgam.
Efectivamente, tive pena que algumas conversas durassem apenas o tempo de um breve desenho, mas deu para perceber a (grande) qualidade dos leitores dO Menino Triste. Uns, novos leitores, que o descobriram graças à exposição (e foram muitos), outros que para surpresa minha já seguem o trabalho desde o início (2001), mas que eu não os conhecia, e outros já velhos amigos.
A grande amizade que roda em torno dO Menino Triste foi bem patente nas presenças que lotaram e extravasaram a capacidade do Auditório do FIBDA no dia do lançamento. Espero que a personagem consiga continuar a cativar todos os seus já grandes amigos!

07/11/08

O Menino Triste d'après... Maurício de Sousa - 9


Maurício de Sousa não precisa de apresentação!
Mais uma vez esteve presente no Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora, para deleite de grandes e pequenos. Ainda tenho os dois primeiros anos da série “Pelezinho”, que acompanhei com particular interesse, para além de outros seus trabalhos.

Contudo, não podemos ficar alheios ao maior êxito criativo de Maurício: A Turma da Mônica. Por isso mesmo, aqui o autor do infante melancólico, realizou o trabalho que agora vos mostro. Para os que ainda não tiveram a oportunidade de ver os outros trabalhos desta série (que designei por “O Menino Triste D’après...”) aqui no Blog, permitam-me dizer que se tratam de trabalhos desenhados por mim, mas ao estilo gráfico de cada autor, desenhando O Menino Triste como seria (hipoteticamente) desenhado por cada um deles. Deixo então um balão em branco, e cada autor preenche-o como melhor entender. Foi o que aconteceu uma vez mais, desta vez com o Maurício. Particularmente gostei do resultado, proporcional à sua simpatia: ENORME.

24/10/08

BDNA - Genetic FingerPrint

O DNA é a molécula responsável pela transmissão das características hereditárias que são passadas de pais para filhos, em todos os seres vivos. É no DNA que está codificada a informação que determina se vamos ter olhos azuis ou castanhos, se vamos ser altos ou baixos, se vamos ter pele escura ou clara. Essa informação do DNA está organizada em genes e todas as células do nosso corpo, possuem uma cópia idêntica desse DNA.

Por isso, é possível extrair DNA a partir de células de qualquer tipo de tecido do nosso corpo, desde células da pele a células do sangue, desde o cabelo até aos dentes.

O processo de extracção do DNA é muito simples, passando essencialmente por três fases: rebentamento das células, destruição de proteínas e de outros materiais biológicos e precipitação do DNA com álcool. Esse DNA isolado serve para estudos de genética e para melhor compreender esse código da vida... e para incluir na tinta que o autor d’O Menino Triste irá utilizar nas sessões de autógrafos durante o Festival de Banda Desenhada da Amadora 2008.

Assim é. Efectivamente, o biólogo José Matos extraiu cadeias de DNA de células de João Mascarenhas, que irão ser adicionadas à tinta a utilizar nas assinaturas do livro A Essência, durante o FIBDA2008. Aproveitando-se um recurso científico disponível, o autor d’O Menino Triste procura assim associar esta técnica de Genetic Fingerprint, a um dos temas do Festival: a Tecnologia!

16/10/08

O Menino Triste em Exposição no FIBDA2008


É com imenso prazer que se anuncia a Exposição sobre o novo livro do Menino Triste, intitulado A Essência, que estará patente no Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora 2008. Estarão expostas duas dezenas de pranchas originais e duas serigrafias realizadas pelo Centro Português de Serigrafia com base em duas das páginas do livro.

Além da capa d’A Essência, gostaríamos de vos mostrar as pequenas frases que constarão da contracapa do livro, da autoria de alguns dos amigos da personagem. Com um grande agradecimento aos seus autores, aqui ficam:

“O Menino Triste alegra-nos com aquilo que, tantas vezes, está mesmo ao nosso lado e que é feito apenas de beleza”- José Luís Peixoto

“Coimbra e Veneza são os cenários urbanos, excelentemente desenhados, que servem de fundo a uma trama ficcional com suave matiz esotérico”- Geraldes Lino

“É uma aventura de fazer o Indiana Jones, com a sua busca pelo Santo Graal, corar de inveja”- Luís Louro

“Olha, mas este sou eu!”- Maestro António Vitorino de Almeida

“Menino Triste para Presidente”- Grafito na parede da Estação de Comboios de Alfornelos

“Um livro essencial para quem já sentiu aquele pavor estranho de uma folha branca de papel”- Joaquim Almeida da Foz
O livro estará disponível desde o primeiro dia do Festival, e o lançamento oficial terá lugar no dia 1 de Novembro pelas 15h00.

03/10/08

Qual Albatroz entrevista J.Mascarenhas



O que é que José Luis Peixoto tem a ver com O Menino Triste? E Leonardo da Vinci? Quais as ligações da personagem à Cabala? Existem gôndolas assassinas?


Estas e outras questões são abordadas na entrevista que a Editora Qual Albatroz realizou a João Mascarenhas, autor da personagem O Menino Triste, numa antevisão ao novo livro A Essência que será lançado durante o Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora 2008.


As origens da personagem, as fontes de inspiração, os percursos psicológicos e artísticos, e a lenda urbana que refere que a personagem é um alter ego do autor. Será?

Leia tudo aqui.

26/09/08

Papel de Fundo - 03



Tendo como base o material do novo livro, A Essência, fica disponível mais um fundo de ecran.

Além de duas páginas já anteriormente divulgadas podem vislumbrar uma terceira, e ainda o título do livro, tal como será apresentado na capa do livro.

Dentro de pouco tempo, na página web da editora Qual Albatroz, serão disponibilizados este e outros fundos de ecran, com diversas resoluções.

23/09/08

SUDOKU - A Solução


数独
Após algumas solicitações (o pessoal é mesmo preguiçoso ;)), aqui está a solução do primeiro Sudoku O Menino Triste.
Este até era fácil!

22/09/08

A Essência - O Novo Livro d'O Menino Triste



Em contagem decrescente para a saída do livro "A Essência", são agora divulgadas mais duas vinhetas de uma das páginas.

Já agora, que cidade está aqui representada?

Aceitam-se palpites...

Dentro de poucos dias iremos aqui divulgar de igual modo a capa do livro. Aguardem...

10/09/08

A Essência - O Novo Livro d'O Menino Triste


Já que vos estamos a mostrar Veneza, aproveitamos para aqui deixar mais uma página alusiva ao tema. As arcadas do Caffé Florian, e a eterna Praça de S. Marcos.
.
Penso que é evidente a época do ano em que decorre a acção.
.
E a acção está quase a começar...

19/08/08

A Essência - O Novo Livro d'O Menino Triste


Qual busca por um Graal perdido ultrapassando os limites do real, a demanda pela Essência da Arte, tal como um percurso iniciático, parte rumo à descoberta de novas paragens, deparando com sociedades secretas, intrigas, conflitos pessoais, muita beleza e claro... muita Arte.
A história de A Essência decorre nos anos de 1980, altura em que O Menino Triste frequenta a Universidade de Coimbra, num curso de Engenharia.


Paralelamente aos estudos, O Menino Triste é também autor de Banda Desenhada. Um dia, confrontado com o facto de ter de realizar mais uma história, verifica com desgosto que nada consegue fazer. A história não lhe sai, é incapaz de fazer um traço coerente numa folha de papel. Falta-lhe inspiração.

Em conversa com alguns amigos da Universidade, trocam ideias e conceitos sobre o que é a Arte. O Menino Triste confessa que gostaria muito de conhecer A Essência da Arte, pois segundo ele, aí reside todo o “segredo” artístico do acto criativo:
“Será que se um artista tivesse conhecimento sobre o que é a Essência da Arte, mais facilmente criaria?”, diz.
Depois de alguma troca de palavras, decide, por sugestão dos amigos, fazer uma viagem (como é defendido por alguns pensadores, a “viagem” significa também um percurso iniciático).

A viagem leva-o até Veneza, pois como se sabe muitos dos grandes nomes das Artes aí residiram, ou por aí passaram: Leonardo da Vinci e Wagner são dois dos muitos nomes.
Numa altura em que o livro está quase, quase na gráfica, mostro-vos a página 19, que é exactamente passada na Sereníssima.

07/08/08

SUDOKU

数独
Em tempo de férias, uma proposta diferente. Sei que todos já preencheram grelhas de Sudoku (9x9) ou Mini-Sudoku (6x6). Sei de igual modo que o quebra-cabeças dos números às vezes se pode tornar viciante. Praticamente todos os periódicos já os trazem junto às palavras cruzadas, ou mesmo em vez das ditas. Já se fizeram programas de televisão e campeonatos um pouco por todo o mundo. E se os números forem substituídos por desenhos? O processo é semelhante, a dificuldade talvez ligeiramente superior. Não?


Aqui fica uma grelha muito fácil. Daqui a uns tempos ponho aqui a solução. Entretanto (quem tiver paciência), divirta-se!

01/08/08

Outros Meninos Tristes


Completa-se hoje o primeiro ano de existência do Blog d’O Menino Triste.
Aproveitando a mesma gostava de vos mostrar um outro menino triste: Billy Elliot, a par de outros de que já vos falei no ano passado (Peter Pan, Shingi Ikari e Anakin Skywalker). A história já originou um filme e um musical.

“Billy Elliot”, o filme, talvez tenha sido o que mais intimamente me tocou, de todos os que até hoje assisti. O desenrolar da história, a luta por um sonho contra tudo e todos, e finalmente o alcançar de um objectivo. Billy Elliot é um dos exemplos de menino triste que se pode conhecer. O ambiente adverso, social e economicamente, em que o rapaz vive (anos 1980), durante a crise entre os mineiros britânicos e a Dama de Ferro, cria um sentimento de tristeza em Billy, que irá servir de alavanca à sua determinação e luta para conseguir aquilo que realmente gosta ser: bailarino.

De facto, a melancolia encoraja novas formas de conceber misteriosas ligações entre antónimos. Reporta-nos à inocência, à ironia, e faz com que enfrentemos o “status quo”, e se consigam novas realizações. Foi o que fez Billy Elliot. Num meio em que os rapazes ou jogavam futebol ou praticavam boxe, Billy está sozinho ao querer tornar-se bailarino clássico.


De facto, frequentemente o mundo torna-se um pouco entediante, dado que muitas vezes é controlado por hábitos ultrapassados, que o tornam cansativo e repetitivo. Isto pode causar tristeza, mas é essa mesma tristeza que nos faz dar o salto, fazer cair o véu entediante e perante nós revelar novas possibilidades. Assim, todos nós somos chamados a ser criativos.

Foi assim que fez o Billy, é assim que faz O Menino Triste.

31/07/08

Papel de Fundo - 02



No dia em que se conclui o primeiro ano de existência do Blog d'O Menino Triste, disponibilizamos mais um "papel de fundo".

Uma vez mais o tema é referente ao próximo livro "A Essência" e, para já, é disponibilizado no formato 800 x 600 píxeis.

26/07/08

Troféus CentralComics.com


No dia em que decorre mais uma cerimónia de atribuição dos Troféus CentralComics.com, gostaria de aqui vos mostrar o cartaz da edição de 2006 dos mesmos troféus. Como na altura ainda não existia o Blog d’O Menino Triste, aqui fica agora o dito cartaz.

O desenho é de Nuno Sarabando, e o Design Gráfico de Hugo Jesus. No cartaz, muito feliz, podem ser vistos alguns dos heróis que faziam parte dos livros nomeados na altura, entre os quais se pode ver O Menino Triste.
Gostaria de aproveitar esta oportunidade para dar um grande abraço ao Hugo Jesus e à Andreia pela sua persistência e sucesso do seu site/loja, e sei já que de futuro este evento irá ter uma repercussão ainda maior no mundo da nossa Banda Desenhada. Um abraço também para o Nélson Castro, pois como sabem é um dos fundadores da CentralComics.com, mas que nos últimos tempos tem estado mais em “pano de fundo”.

Esperamos já pelas futuras edições e que tenham todo o apoio que merecem.

02/07/08

O Novo Livro d'O Menino Triste


Estamos cada vez mais perto do dia em que verá a luz o próximo livro d’O Menino Triste, de seu nome “A Essência”.
História centrada à volta de algumas questões da Arte, criatividade e inspiração (ou a falta dela), este novo livro traz-nos um pouco de um universo que é tão querido tanto à personagem como ao autor. A acção desenrola-se nos anos 1980, quando O Menino Triste estava no início do seu curso de Engenharia. E mais não vos digo para já. Apenas que haverá algumas surpresas aquando do lançamento.

Aqui vos deixo uma página do livro.

22/06/08

A Música de José Gomes Ferreira - 2


Em Agosto de 2007,coloquei aqui no Blog, um post sobre uma música de José Gomes Ferreira, chamada exactamente “O Menino Triste”. Trata-se de um scherzo para piano, e que a última vez que terá sido tocada em público foi em 2001 no concerto de homenagem a José Gomes Ferreira, no Teatro Tivoli em Lisboa, por ocasião do centenário do seu nascimento. O intérprete foi o pianista Armando Vidal.

Lancei então um repto sobre uma eventual gravação que terá sido feita na altura, responsabilidade da Câmara Municipal de Lisboa, mas os resultados foram negativos. Apenas o Maestro César Viana se disponibilizou para me facultar uma cópia da partitura, o que muito agradeço.

Eis quando senão, há umas semanas atrás, por um acaso ciber espacial, encontrei umas referências a essa mesma música num outro blog (já desactivado). O autor do blog é João Pedro Nunes, que é actualmente estudante do curso de Ciências Musicais, da Universidade Nova de Lisboa. Apaixonado do piano, João Pedro Nunes é um grande entusiasta e divulgador da música de José Gomes Ferreira. Daí que ao meu pedido de cedência de uma eventual gravação que tivesse em seu poder, o João imediatamente se prontificou a cedê-la. Trata-se de uma gravação em formato mp3, e que foi realizada exactamente no tal concerto de 2001. A gravação foi realizada por um ex-professor do João Pedro Nunes.

Assim sendo, aqui a disponibilizo, tentando contribuir também para a divulgação da música de José Gomes Ferreira, vertente pouco conhecida de muitos dos cibernautas. E um ENORME muito obrigado ao João Pedro Nunes. De mim e d’O Menino Triste.

12/06/08

O Menino Triste na Escola


O Menino Triste esteve presente em mais uma acção de divulgação de Banda Desenhada junto de uma escola.
Desta vez, numa escola do Algarve, onde o contacto com os alunos e professores se mostrou imensamente interessante. Conversou-se sobre Banda Desenhada, as suas várias vertentes, estilos, técnicas e muitas mais coisas. Algumas das crianças mostraram já algum conhecimento sobre diversos aspectos técnicos da Banda Desenhada, sendo potenciais apreciadores futuros da nossa forma preferida de literatura.
Havemos de lá voltar. Prometo!

24/05/08

O Filme de Apresentação d'A Essência


Como vos disse no post anterior, o próximo livro d'O Menino Triste foi apresentado pela editora Qual Albatroz, no Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja.
Para os que não tiveram a possibilidade de se deslocar até à Pax Julia, aqui vos deixo agora o filme de apresentação.
Nele, Winston Churchill, Audrey Hepburn e John Wayne falam-nos sobre o seu relacionamento com O Menino Triste assim como do próximo livro.
Liguem o som e cliquem aqui.

13/05/08

O Menino Triste em Beja


Teve início mais um Festival Internacional de B.D. de Beja, o IV.
Mais de 80 autores, com inúmeras exposições individuais e colectivas irão dar vida a este evento que começa a ganhar a justa importância que lhe é devida.

Graças ao empenho de uma pequena mas muito activa e dedicada equipa, liderada (muito bem, e atenção que eu digo “liderada” e não “chefiada”), por Paulo Monteiro, entre 10 e 25 de Maio a planície alentejana terá a oportunidade de usufruir de mostras e actividades no campo da 9ª Arte.

Entre essas actividades conta-se a apresentação de novos projectos, e foi aí que O Menino Triste esteve presente. O livro “A Essência” foi apresentado pela editora “Qual Albatroz” (
http://www.qualalbatroz.pt/) juntamente com o livro de Gastão Travado “ReEvolução 01/10”. A julgar pelas reacções até agora recebidas, a apresentação foi do agrado geral.

Para o ano voltaremos com certeza a Beja.

04/05/08

O Terceiro Livro


Aqui deixo então a vinheta que está na entrada imediatamente abaixo, mas agora com uns pequenos toques de cinza.
Gostaria sinceramente de ter uma opinião vossa sobre qual a vinheta favorita: a que está abaixo a preto e branco puro, ou se esta com os cinzas.
Posso contar com vocês?

30/04/08

O Terceiro Livro


Conforme combinado, aqui está então o passo seguinte na elaboração de uma vinheta da página 9 do terceiro livro d'O Menino Triste.
Desta vez, já está passada a tinta da china. Faltam ainda alguns retoques e o texto. Irei depois aqui colocar também uma segunda versão desta mesma vinheta, de forma a tentar perceber qual a vossa favorita.

18/04/08

Papel de Fundo - 01


Inicia-se aqui a disponibilização de uma primeira série de Papeis de Fundo, com temas do terceiro livro d'O Menino Triste, "A Essência".
As imagens são disponibilizadas em 800x600 dpi. Caso haja interesse em imagens maiores, é só fazerem chegar o vosso desejo, assim como a dimensão da imagem pretendida.
Espero que apreciem, e se houver comentários ou sugestões, não hesitem em fazê-los até nós chegar.

08/04/08

O Menino Triste d'après... João Abel Manta - 8

O Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem (Amadora) promove, entre os dias 10 e 28 de Abril, uma Homenagem ao Mestre João Abel Manta, em parceria com a Humorgrafe (Osvaldo de Sousa) e o BDJornal (Clara Botelho), de quem partiu a ideia original.

Na exposição de homenagem a João Abel Manta, além de obras originais do autor, cedidas pelo Museu da Cidade de Lisboa, serão apresentados trabalhos de outros autores que aceitaram participar na homenagem, entre os quais o autor d’O Menino Triste, com dois trabalhos que aqui se mostram.

Os autores participantes na Exposição/Homenagem: Alexandre Algarvio, Álvaro Santos, André Oliveira, António Amado, António José Lopes, António Santos (Santiagu), Brito, Carlos Amorim, Daniel Moreira, David Pintor, Eriço Junqueiro Ayres, Filipa Malaquias, Joaquim Aldeguer, João Mascarenhas, José Ruy, José Santos, Luís Afonso, Luís Veloso, Michel Casado, Nelson Santos, Nuno Pardal, Paulo Fernandes, Paulo Santos, Pedro Alves, Ricardo Galvão, Romeu Cruz, Vasco Gargalo e Zé Oliveira.


João Abel Manta nasceu em 29 de Janeiro de 1928. Filho dos pintores modernistas Clementina Carneiro de Moura e Abel Manta, formou-se em Arquitectura pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, em 1951.


(adaptação de um texto de José Eduardo Ferreira)

26/03/08

O Menino Triste d'après... Nuno Markl - 7


Quando foi homenageado, há um tempo atrás, pela Tertúlia BD de Lisboa, organizada pelo Geraldes Lino, o Nuno Markl ficou a saber (contrariamente ao que ele próprio pensava) que afinal o que ele fazia e publicava nos jornais não era cartoon, mas sim Banda Desenhada! Adivinhem quem é que foi o “esclarecedor”... claro, o nosso ÉleGê (LinoGeraldes).

Durante a humorada conversa que se seguiu, o Nuno confessou que tinha algumas dificuldades em desenhar cavalos, motas e... “gajas”. Estranho universo, pensei. Ora isso serviu de mote ao trabalho agora apresentado, no qual O Menino Triste se dispõe a ajudá-lo. E o Nuno aceitou de bom grado a ajuda.

Gostava aqui de referir, além dos cartoons, perdão, Bandas Desenhadas que o Nuno Markl tem publicado na imprensa, a sua participação no último álbum d’O Corvo, de Luis Louro, onde assina o argumento. Ficamos a aguardar por novas aventuras. É que não pensem que o Nuno anda a dormir ;))

20/03/08

O Terceiro Livro


Como já vos disse anteriormente, o terceiro livro d’O Menino Triste - A Essência - será publicado este ano. Já tem editora (desta vez não é auto publicação), e a sua produção segue a bom ritmo !

Achei que poderia ser interessante mostrar uma vinheta nas várias fases de produção. Assim, e para já aqui fica a vinheta escolhida, em traço de lápis. É uma vinheta da página 9 do álbum, que terá um total de 45 páginas. Será depois aqui colocada quando já estiver passada a tinta, e finalmente já com o texto incluído.

Caso tenham algumas questões a colocar, não hesitem em fazê-lo.

11/03/08

O Menino Triste Super Herói


Conhecem aqueles softwares em que se responde a uma data de perguntas, e no final dizem-nos do que é que gostamos mais, o nosso signo, e outras inutilidades? Pois existe um que nos revela, após aturado inquérito, qual o Super Herói que há em nós. É verdade!

Pois eu atrevi-me a responder a um desses questionários, e o output que daí resultou é o que agora aqui vos mostro. Coincidência ? ;)

29/02/08

O Menino Triste d'après... Luis Louro - 6


Ainda me lembro quando nos anos 1980 li aquela história no “Mundo de Aventuras”, em que o III Reich se cruzava com uns extra-terrestres. Fiquei fascinado com a forma como o autor (autores, já que era a dupla Louro/Simões) contava a história, e decidi ver quem a tinha feito: Louro. Desde então não deixei de ser seu fã, adquirindo todos os seus álbuns que iam saindo: Jim del Mónaco, Roques e Folques, Alice, Coração de Papel, ..., e mais recentemente ... O Corvo.

Guardava todas as notícias e entrevistas que encontrava em jornais e revistas que o referissem. Uma delas escrevia em letras gordas: “Luis Louro, uma promessa da BD Nacional”. E a “promessa” depressa se tornou num dos principais nomes da 9ª Arte Portuguesa. Eu diria mesmo, que o Luis Louro é um “novo clássico”.

Tive a felicidade, uns anos mais tarde de conhecer o Luis, tornando-me seu amigo, e descobrir a pessoa fantástica que ele é. É verdade: além de excelente autor de BD e de uma enorme capacidade de trabalho, o Luis Louro tem, também, uma alma enorme. Assim, ele foi um dos primeiros autores que “piquei”, para esta série “D’après...” com O Menino Triste. Tive algumas dúvidas sobre qual das suas personagens iria retratar, mas acabou por prevalecer a ideia do seu primeiro clássico: Jim del Mónaco. Contudo, tenho uma enorme vontade de igual forma um dia destes “picar” também O Corvo.

Já escrevi algures, que apesar do Luis ter uma (recente) grande paixão pela fotografia (ver aqui), onde tem sido (também) premiado, espero sinceramente que ele nunca deixe de fazer Banda Desenhada. É que o Luis Louro faz falta à BD Nacional.

17/02/08

Bucha & Estica




Nos idos de 1960’s, quando uma noite assisti, ainda criança, a uma sessão de cinema ao ar livre, nunca pensei que ela perdurasse durante tantos anos na minha memória. O filme que passou foi um do Bucha & Estica, e lembro-me perfeitamente de não ter parado de rir durante toda a sessão. Daí que quando precisei de um tema para a cena da descoberta do Cinema pel’O Menino Triste, não hesitei em utilizá-los. Laurel & Hardy, no original, proporcionaram-me grandes momentos de diversão, nesse e em muitos outros dias.

De tal forma foi divertido e prazeroso, que se tais emoções fossem de igual forma partilhadas por crianças das novas gerações, tornando-as também com isso mais felizes, seria uma grande satisfação para mim...

10/02/08

Obrigado, Rui!


Adoro boas surpresas. Sim! Por que não? Quem não gosta?

Quando pedi um autógrafo ao Rui Lacas, no seu último livro “Obrigada, Patrão”, estava longe de imaginar o que é que ele iria desenhar. Agarrou nas canetas, e em dois instantes rapidamente esboçou a personagem do "patrão". E foi a partir daí que a surpresa se deu: com a mesma destreza que tinha desenhado “o patrão”, em mais dois movimentos... pimba! Aí estava O Menino Triste! Podem imaginar a minha (agradável) surpresa. Primeiro porque não estava à espera, depois porque o Rui revelou não apenas conhecer a minha personagem, como a conhecer o suficiente para, de memória, o esboçar, o que muito me lisonjeia.
Tenho acompanhado os livros que o Rui Lacas tem editado, e além do seu estilo, identifico-me imensamente com a temática, e com a forma como ele conta as histórias, sobretudo este último “Obrigada, Patrão” e “A Filha do Caranguejo”. Mais coisas dele aqui.

Acho que posso dizer: Obrigado, Rui!

29/01/08

O Menino Triste d'aprés... Lewis Trondheim - 5


Aproveitando a recente visita de Lewis Trondheim ao FIBDA 2007, tive a oportunidade de trocar algumas impressões com ele e de lhe pedir para completar o texto da ilustração que agora aqui coloco.

Desta vez O Menino Triste é enquadrado nas Aventuras de Donjon (Coração de Pato) uma das séries mais populares de Trondheim junto do público nacional, ao qual se junta Marvin, o monstro do Guardião. Além desta série, Trodheim tem também publicado por terras lusas, e com grande êxito, a história “A Mosca” e “Os Cosmonautas do Futuro”, por exemplo.

Com um traço muito simples, fluído, mas imensamente eficaz, com o qual o leitor imediatamente simpatiza, Lewis Trondheim é um dos autores europeus de maior sucesso. O Menino Triste também assim o acha.

26/01/08

O Menino Triste em Polaco


Jakub YANKOWSKY é o autor do Blog Polaco http://www.przypadkiem.blogspot.com/.


Depois de uma passagem por Portugal onde estudou um pouco mais de Português, Jakub está de volta à sua terra natal. No seu Blog tivémos já o prazer de ver por algumas vezes citações aO Menino Triste. Uma primeira abordagem tratou do trabalho que fiz com inspiração no estilo do José Carlos Fernandes e publicado aqui sob o rótulo “O Menino Triste D’après...”. Agora outra focando o trabalho da mesma série que fiz sobre o Miguel Rocha e ainda a colaboração do José Abrantes na Exposição do FIBDA de 2005.

Jakub Yankowski não se limita a referenciar os trabalhos que acima mencionei, traduzindo-os mesmo para polaco. Quem sabe se esta poderá ser uma porta para o público polaco conhecer uma parte do Universo dO Menino Triste, e não só.


É pena não sabermos polaco, mas ficamos com o privilégio de imaginar as coisas boas que lá estarão escritas. Força Jakub.

18/01/08

O Menino Triste e as Novas Tecnologias


Das investidas que tenho tentado fazer em vários campos do conhecimento, e tentar aplicá-las ao campo das artes, uma delas é na área das tecnologias de prototipagem rápida.

Na minha actividade profissional tenho lidado com algumas das tecnologias disponíveis neste campo. Daí à utilização de algumas delas no desenvolvimento de algumas ideias que tenho para O Menino Triste, foi um pequeno passo. Assim, podem ver na imagem desta entrada, um pequeno diorama que eu e o Gastão Travado realizámos, a partir de um modelo 3D digital d’O Menino Triste. A partir desse modelo, foi construído utilizando uma máquina de prototipagem rápida, uma figura em resina, que depois foi pintada e colocada no diorama. A figura tem cerca de dez centímetros de altura.

Todos os detalhes da construção podem ser vistos
aqui. De referir ainda que a construção da figura foi efectuada utilizando uma das máquinas de Prototipagem Rápida do Centro Tecnológico da Indústria de Moldes, CENTIMFE, na Marinha Grande.
Este trabalho foi alvo de uma apresentação do Gastão Travado no evento D2P - Design to Product, realizado em 2006, na Marinha Grande, onde foram apresentados vários trabalhos, que utilizaram as tecnologias de Prototipagem Rápida aplicadas a diversas áreas (Moda, Arquitectura, Arte, Engenharia,...).

08/01/08

Os Amigos de ÉmeTê - 8/8


No início de 2008, o amigo que fecha esta série de oito participantes na Exposição d’O Menino Triste patente no FIBDA 2005. Seu nome no meio BandaDesenhístico: José Abrantes.


Autor celebrando (mais de) 30 anos de carreira. José Abrantes é o autor nacional de Banda Desenhada que mais se tem dedicado a temas para crianças, sempre com um relevante êxito. Salientando apenas algumas das suas personagens podemos referir O Gato Zu, Dakar - O Minossauro, Homodonte, e mais recentemente a bruxinha Morgana, personagem esta que tive o prazer de ser convidado a desenhar alguns dos fundos de algumas das páginas das suas histórias.


Com imensas publicações em revistas, jornais, fanzines e álbuns, José Abrantes foi também um dos participantes nacionais presentes no Festival de Banda Desenhada de Angoulême de 1998, integrado na exposição “Perdidos no Oceano”, assim como em outra exposição que esteve patente no Centro Belga de Banda Desenhada, em Bruxelas, no ano de 2000, além de várias participações no Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora.
Em duas linhas não consigo abarcar a grandeza e qualidade de todo o Trabalho do José Abrantes, contudo, alguns deles podem ser vistos on line em
http://www.abrantes.interdinamica.com.