08/04/08

O Menino Triste d'après... João Abel Manta - 8

O Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem (Amadora) promove, entre os dias 10 e 28 de Abril, uma Homenagem ao Mestre João Abel Manta, em parceria com a Humorgrafe (Osvaldo de Sousa) e o BDJornal (Clara Botelho), de quem partiu a ideia original.

Na exposição de homenagem a João Abel Manta, além de obras originais do autor, cedidas pelo Museu da Cidade de Lisboa, serão apresentados trabalhos de outros autores que aceitaram participar na homenagem, entre os quais o autor d’O Menino Triste, com dois trabalhos que aqui se mostram.

Os autores participantes na Exposição/Homenagem: Alexandre Algarvio, Álvaro Santos, André Oliveira, António Amado, António José Lopes, António Santos (Santiagu), Brito, Carlos Amorim, Daniel Moreira, David Pintor, Eriço Junqueiro Ayres, Filipa Malaquias, Joaquim Aldeguer, João Mascarenhas, José Ruy, José Santos, Luís Afonso, Luís Veloso, Michel Casado, Nelson Santos, Nuno Pardal, Paulo Fernandes, Paulo Santos, Pedro Alves, Ricardo Galvão, Romeu Cruz, Vasco Gargalo e Zé Oliveira.


João Abel Manta nasceu em 29 de Janeiro de 1928. Filho dos pintores modernistas Clementina Carneiro de Moura e Abel Manta, formou-se em Arquitectura pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, em 1951.


(adaptação de um texto de José Eduardo Ferreira)

2 comentários:

J.Mascarenhas disse...

João Abel Manta nasceu em 29 de Janeiro de 1928.
Filho dos pintores modernistas Clementina Carneiro de Moura e Abel Manta, formou-se em Arquitectura pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, em 1951.

Além da arquitectura, pintura, decoração, tapeçaria, cerâmica e cenografia, João Abel Manta é, igualmente, uma das figuras fundamentais do design gráfico nacional. Neste último campo artístico, tornou-se num elo fundamental da recriação do humor gráfico como expressão estética, como sátira de intervenção política.
Os seus trabalhos podem ser encontrados em “O Século Ilustrado”, “Almanaque”, “Seara Nova”, “Eva”, “Diário de Lisboa”, “Sempre Fixe”, Diário de Notícias”, “Jornal de Artes e Letras”, entre outras publicações.
Publicou, ainda, dois álbuns de cartoons: “Cartoons”, em 1975, e “Caricaturas Portuguesas dos anos de Salazar”, em 1978.
Obteve vários prémios nacionais e estrangeiros: 1961, Prémio de Desenho na II Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian; 1965, Medalha de Prata na Exposição de Artes Gráficas de Leipzig; e 1975, Prémio de Ilustração na Exposição de Artes Gráficas de Leipzig.
(adaptação de um texto de José Eduardo Ferreira)

Massagem disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.