20/02/10

NBA

Eu não vejo televisão. Ou melhor, às vezes OLHO para a televisão. E um dia destes, sentei-me no sofá e decidi fazer um zapping pela grelha dos 200 e tal canais que as fornecedoras de serviços de TV nos proporcionam. Estava eu a zappar muito quentinho, quando de repente dou com um canal maravilha: NBA TV! Jogos da NBA! E na MINHA televisão! Fantástico! Estavam a transmitir um All Star Game da década de 1980, onde jogavam entre outros, Larry Bird dos Celtics de Boston e Abdul Jabbar dos meus queridos Los Angeles Lakers! É lógico que nesse momento tudo o resto se tornou relativo- abri uma excepção- e assisti ao jogo até ao fim.
.
Não imaginam quanto estes (e outros jogadores) fascinaram a minha geração, quando ainda jogava nos juvenis do Sporting Clube Olhanense, e jogos da NBA (ou dos Globe Trotters) na TV eram coisa mais que rara. De tal forma, que quando tínhamos a oportunidade de ver algum, ficávamos de tal forma excitados, que a seguir corríamos para o parque de jogos do Olhanense e tentávamos fazer as maravilhas que tínhamos visto momentos antes na TV. Claro que em vão :(.

.
Mais tarde em Coimbra, e já jogador da Académica (viémos da 3ª à 1ª Divisão), a NBA continuava a fazer parte do meu imaginário, e comprei uma camisola, que ainda hoje possuo: a camisola “33” dos Lakers, onde se pode ler o nome de Abdul Jabbar. Camisola essa que também O Menino Triste enverga no livro “A Essência”, quando joga com os amigos no Choupal!

.

I do not watch TV. Well, sometimes I look at it. One of these days I was ceasing my couch-potato minute, when I found the NBA TV channel. And just there: on my TV! What a surprise. Of course I did nothing more thereafter as they were broadcasting a 1980’s All Star Game with Larry Bird and Abdul Jabbar (this last of my team, Los Angeles Lakers).
These two, along with other NBA’s players just fascinated my generation when we were young kids. NBA games on TV were so rare, that when we could see one, immediately we ran to our club's pitch and tried to do the same wonderful things, in vain :(.

.
Some years later, during the University, in Coimbra, in which team I played, I bought a number “33” Lakers’ jersey, where it could be read “Abdul Jabbar”. It’s that very jersey that The Sad Boy wears on a basketball scene on the book “A Essência”.

.

8 comentários:

PO disse...

Deus existe JM! E premiou-nos com o NBA TV.
É uma delícia rever os ganchos à Abdul Jabbar dos nossos queridos Los Angeles Lakers!

Gio disse...

Não é propriamente um desporto que aprecie. No entanto um nome que mencionaste fez-me recordar o saudoso "Game of death" em que esse gigante lutou contra o "pequeno dragão" num combate memorável ao som fantástico da música de John Barry. :)
Abraço

csa disse...

Uia!
Eu não percebo nada de basquete! Nem as regras sei!!!
Mas, quando andava no liceu, gostava muito de jogar.
Adorava driblar e conseguia fazê-lo com as duas mãos e passava a bola muito depressa de uma mão para a outra.
Como era pequena e corria relativamente depressa, lá conseguia escapar-me.
Eu não conseguia marcar cestos, mas passava a bola a uma rapariga grande que fosse boa nisso. :)
O azar é que passava sempre a alguém da equipa adversária, porque éramos todas da mesma turma e eu não fixava quem era quem. E levava um ralhete do prof!!! :(
Uma boa recordação! :)

csa disse...

Uia!
Eu não percebo nada de basquete! Nem as regras sei!!!
Mas, quando andava no liceu, gostava muito de jogar.
Adorava driblar e conseguia fazê-lo com as duas mãos e passava a bola muito depressa de uma mão para a outra.
Como era pequena e corria relativamente depressa, lá conseguia escapar-me.
Eu não conseguia marcar cestos, mas passava a bola a uma rapariga grande que fosse boa nisso. :)
O azar é que passava sempre a alguém da equipa adversária, porque éramos todas da mesma turma e eu não fixava quem era quem. E levava um ralhete do prof!!! :(
Uma boa recordação! :)

csa disse...

Uia!
Eu não percebo nada de basquete! Nem as regras sei!!!
Mas, quando andava no liceu, gostava muito de jogar.
Adorava driblar e conseguia fazê-lo com as duas mãos e passava a bola muito depressa de uma mão para a outra.
Como era pequena e corria relativamente depressa, lá conseguia escapar-me.
Eu não conseguia marcar cestos, mas passava a bola a uma rapariga grande que fosse boa nisso. :)
O azar é que passava sempre a alguém da equipa adversária, porque éramos todas da mesma turma e eu não fixava quem era quem. E levava um ralhete do prof!!! :(
Uma boa recordação! :)

Geraldes Lino disse...

Altíssimo
Arranjaste outra faceta para o Menino Triste que mais o aproxima de ti, ele será o teu alter-ego sem tirar nem pôr quando tiver quase dois metros de altura :-)
Abraço e saudações bedéfilas.
GL

J.Mascarenhas disse...

PO, Gio e CSa: A NBA foi e continuará a ser um "planeta" à parte no mundo do desporto. Por uma razão ou outra ela faz parte do imaginário de praticamente toda a gente ;)

Lino: Mas O MT já tem 2 metros. Só às vezes é que não dá para reparar. Vais ver agora no PUNK REDUX...
Abraços

J.Mascarenhas disse...

Olá a todos.

Os amigos do site www.planetabasket.pt colocaram este post em destaque no seu site.
Visitem-no.
Muito obrigado Ivan!