20/06/09

PUNK REDUX - A Apresentação


Eu tenho um punk dentro de mim, debaixo da minha pele, e esse punk tem muito dentro de si. Não vou enumerar, não vou cair nessa vertigem. Vou apenas assinalá-la. Essa arqueologia pode exigir a vida inteira.”

Estas palavras são do escritor José Luis Peixoto (que foi quem fez o texto introdutório do álbum d’O Menino Triste, “A Essência”), publicadas no Jornal de Letras há uns meses atrás. E estão em sintonia com o meu sentimento: realmente sinto-o de igual forma, o punk, debaixo da minha pele. Tudo isso teve início com a minha primeira visita a Londres, em 1976, exactamente na altura em que o movimento punk começava a ganhar uma expressão mais relevante.

Sendo O Menino Triste o meu alter ego, realizei então a arqueologia de que o José Luis fala (felizmente não me exigiu a vida inteira) e a personagem irá (re)viver a minha experiência em terras de Sua Majestade Britânica, onde gritávamos pela anarquia e espetávamos o cabelo ao estilo moicano ao som desenfreado das guitarras.

Tudo isto estará ilustrado no próximo livro d’O Menino Triste que terá o título de PUNK REDUX. O vídeo de apresentação está aqui.



8 comentários:

mtz&qba disse...

Menino is a punk rocker, menino is, a punk rocker, punk, punk, punk rocker!!!

oh yeah! tou a espera, tou ansioso, quero ver este episodio da vida do MT o mais depressa possivel ;-)

Vi o filme do festival de Beja (do Kuentro). Marc, se por acaso estas a ler: parabens pelo corte de cabelo. Que interessante, que fenomenal ;-)

abrac,os

csa disse...

Está o máximo!!! :)
Adoro a versão punk do My way (que conheço interpretado por Frank Sinatra e Paul Anka, numa versão muito mais clássica).
[Como vês, não sou só fã de heavy metal, em todos os seus avatares... ou quase todos!]
Fico a aguardar esta aventura do MT com grande expectativa.

mtz&qba disse...

e agora eh que se vai revelar o que e que significam essas coisinhas em cima da cabeca do menino ;-)

Pan disse...

Viva o Menino Sid Vicious Triste!
Um abraço
Francisco

looT disse...

Ainda me lembro quando me falaste que começaste a recordar esta fase Punk. Vi aquele brilho nos teus olhos e percebi logo que era um caminho a seguir e fico bem contente porque é algo que me interessa.

Agora que venha o Menino Triste Punk.

abraço

J.Mascarenhas disse...

Olá a todos. Obrigado pelas palavras.
Gabriel, de facto, quando fazemos as coisas com paixão, o nosso entusiasmo reflecte-se nelas.

Jakub, mas ainda não sabes o que são as 3 (ou 4) coisinhas sobre a cabeça do Infante Melancólico? O Zé diz que é a Aura Triática... eu digo que deve ter sido influênica da mangá, e tu?

Francisco, nós sabemos que o punk tem por detrás muito mais do que muitas vezes se faz crer, não é?

Cristina, espero que a espera valha a pena;))

teresa disse...

os punks não são tristes ,nem um pouco ...
tristes são os gótigos e alguns lamechas metaleiros baladeiros

J.Mascarenhas disse...

Olá Teresa:
Mas quem é que disse que os punks eram (são) tristes?
Os que conheci em 1976 eram tudo menos isso ;))
Abr